Category: Tecnologia Assistiva

0

Tecnologia Assistiva: Ações para famílias de crianças com microcefalia de CG são referenciadas em evento.

 

Tecnologia Assistiva: Após uma série de ações realizadas pela Prefeitura Municipal de Campina Grande, de maneira intersetorial, através das secretarias de Saúde, Educação e Assistência Social, para famílias que tem crianças com a Síndrome Congênita do Zika Vírus e outras deficiências, o município tem se destacado no projeto Redes de Inclusão, do Fundo das Nações Unidas Para a Infancia (Unicef).

As políticas públicas implantadas no município foram referenciadas no seminário de avaliação do projeto, que aconteceu nos dias 10 e 11 de outubro no Hotel Luzeiros, no Recife, capital pernambucana.

No seminário, representantes das três secretarias participaram de debates e oficinas para compartilhar experiências e fortalecer as ações já realizadas pelo município. Durante o encontro, também foram debatidas quais propostas poderiam ser agregadas ao projeto Redes de Inclusão, como forma de ajudar as famílias e as crianças acometidas pela síndrome e efetivar o direto delas, como tem ocorrido em Campina Grande.

Para a secretária de educação do município, Iolanda Barbosa, o projeto tem dado uma importante contribuição para que o direto das crianças sejam efetivados.

“A decisão de levar os bebês com microcefalia para as creches foi anterior ao Redes de Inclusão, se deu no início do ano de 2015 quando fizemos a visita ao Hospital Pedro I e identificamos que os bebês nascidos e residentes em Campina já tinham mais de 4 meses. Porém, foi por meio do projeto que tivemos os recursos de tecnologia assistiva e as formações dos professores de berçários e maternais das creches e dos cuidadores desses bebês, por meio de uma ação intersetorial”, frisou.

Durante o debate, os integrantes dos três eixos temáticos (Eixo 1: trabalho com mulheres, gestantes, famílias e cuidadores. Eixo 2: trabalho com profissionais de saúde, educação e assistência social: capacitação e planejamento reprodutivo. Eixo 3: atenção integral e integrada, atuação em redes, articulação de diversos setores, órgãos, entidades e serviços. relatos de experiências de mães) ouviram relatos de experiências de mães que tem filhos com a síndrome, como Vanicleide da Silva, mãe de Isabelle, matriculada na creche Alcide Cartaxo Loureiro.

“A minha filha é matriculada na creche e eu me impressionei muito com os resultados. A cuidadora da minha filha é como se fosse uma irmã para mim, ela vai além do profissional e eu vejo que o projeto trabalhou isso nos profissionais e eu me sinto bastante apoiada”, disse Vanicleide ao longo do depoimento.

O atendimento às crianças com a síndrome também foi evidenciado na área da saúde, com os serviços oferecidos pelo Centro Especializado em Reabilitação (CER).

“Eu me sinto muito orgulhosa de fazer parte dessa gestão do prefeito Romero Rodrigues, que é um gestor extremamente sensível a essa causa. Quando nós recebemos essa missão, de imediato foi estruturado e inaugurado o ambulatório do Hospital Pedro 1, atendendo a mais de 160 crianças de Campina e região”, ressaltou a coordenadora de saúde da criança, adolescente e jovem da Secretaria de Saúde, Geuma Marques.

Integrando as ações desenvolvidas no município de Campina Grande, também estão os serviços da Secretaria de Assistência Social, que tem relevante importância para a garantia do direito das famílias e das crianças aos benefícios sociais. A forma como as famílias são acompanhadas pelos assistentes sociais no apoio em busca desses direitos foi uma das discussões para que o trabalho se expanda através do projeto Redes de Inclusão.

“Em Campina Grande nós temos um constante diálogo com representantes do INSS, para orientarmos nossos profissionais em como proceder nos mais diversificados casos acompanhados e garantir o direito das famílias”, revelou a coordenadora do Cras no bairro do Pedregal, Renata Andrade, que representou a Semas no seminário.

 

Fonte: Paraíba Online

0

Tecnologia Assistiva: Empresas brasileiras criam produtos e programas destinados a facilitar a vida de pessoas com deficiência e integrá-las de fato à sociedade.

 

A criação de novas tecnologias está facilitando a inclusão de pessoas com deficiências físicas e mentais na sociedade. Negócios de impacto social focados em tecnologia assistiva têm conquistado mercados nacionais e internacionais, além de ganhar prêmios e reconhecimento dentro e fora do Brasil. As empresas nacionais Livox, Hand Talk, Playmove e Cycor são exemplos dessa tendência.

Quando se fala em oportunidade de negócio e de impacto social dentro desse setor, o foco é um mercado potencial de cerca de 12,8 milhões de brasileiros. Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), divulgada em 2015 pelo Instituto Brasileiro de Geo­grafia e Estatística (IBGE), 6,2% da população do país­ possui algum tipo de deficiência. A deficiência vi­sual, a mais representativa, atinge 3,6% dos brasileiros. Em seguida vêm as deficiências física (1,3%), auditiva (1,1%) e intelectual (0,8%).

A Lei de Inclusão da Pessoa com Deficiência (lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015), entre outras medidas, determinou que as escolas públicas e privadas devem se adequar para praticar a inclusão de fato. Soluções tecnológicas como as desenvolvidas pelos negócios de impacto social têm papel importante nesse contexto, tanto no Brasil como em outros países. Daí a necessidade de se criar, produzir e comercializar equipamentos que facilitem a vida das pessoas com deficiência e lhes permitam uma participação maior na sociedade, no aprendizado e no mercado de trabalho.

Movido pela necessidade de se comunicar com a filha Clara, que tem paralisia cerebral, o empresário pernambucano Carlos Pereira desenvolveu o Livox, um software para tablets com o sistema operacional Android que permite a alfabetização de pessoas com algum tipo de deficiência na fala ou nos movimentos. Lançado em 2011, o software conta hoje com uma base de mais de 22 mil usuários em todo o Brasil. Por permitir o uso de diferentes idiomas, o programa está sendo bem aceito em outros países.

O resultado dessa internacionalização foi o recebimento de diversos prêmios, como Melhor Software de Inclusão Social do Mundo, da Organização das Nações Unidas (ONU), Solução com Maior Impacto Social, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Melhor Aplicação da Categoria Educação (World Cup Tech Challenge, Vale do Silício), entre outros. Agora o Livox está sendo aperfeiçoado nos Estados Unidos, com o objetivo de se desenvolver uma nova tecnologia que reduzirá em até 80% o tempo de resposta da pessoa com deficiência no processo de comunicação.

Tradutor de sinais

No Brasil, 9,7 milhões de pessoas têm deficiência auditiva. Foi para esse público que, em Alagoas, Ronaldo Tenório e dois amigos e sócios – Carlos Wanderlan (analista de sistemas) e Thadeu Luz (arquiteto especialista em 3D) – se uniram para criar a Hand Talk, um aplicativo que funciona como um tradutor mobile e dicionário de bolso gratuito ao converter texto e áudio em Libras, a linguagem de sinais brasileira. Por meio de uma parceria com o governo federal, a solução está presente em milhares de tablets em escolas da rede pública, facilitando a comunicação entre alunos e professores.

A Lei de Inclusão da Pessoa com Deficiência (lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015), entre outras medidas, determinou que as escolas públicas e privadas devem se adequar para praticar a inclusão de fato. Soluções tecnológicas como as desenvolvidas pelos negócios de impacto social têm papel importante nesse contexto, tanto no Brasil como em outros países. Daí a necessidade de se criar, produzir e comercializar equipamentos que facilitem a vida das pessoas com deficiência e lhes permitam uma participação maior na sociedade, no aprendizado e no mercado de trabalho.
Outra oportunidade de mercado identificada são as empresas, atentas à importância de tornar seus canais acessíveis (como sites, totens informativos, etc.) à comunidade surda. Essa necessidade vem do fato de que quase 70% dos surdos têm dificuldades em compreender o português. Nesse caso, basta acrescentar no site uma aba do Hand Talk para fazer a tradução automática do português para Libras. A criação do programa também tem rendido à empresa prêmios no Brasil e no exterior. O Hand Talk foi eleito o melhor aplicativo de inclusão social do mundo no World Summit Award Mobile, prêmio criado pela ONU cuja cerimônia é realizada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Além disso, Ronaldo Tenório foi eleito pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) como um dos 35 jovens mais inovadores do mundo (Innovators Under 35). O Hand Talk já impactou mais de 6 milhões de pessoas.­ Em 2017, ele se tornará uma ferramenta global ao incluir a Língua Americana de Sinais. E outros produtos estão sendo desenvolvidos, como um tradutor simultâneo para Libras, em tempo real, que faz uma triangulação entre o deficiente auditivo, o intérprete e uma terceira pessoa (médicos, prestadores de serviços, funcionários públicos, etc.).

Educação eletrônica

A Playmove, de Blumenau (SC), tem como principal produto a Playtable, uma mesa eletrônica digital com jogos e aplicativos educativos. Além de educar, a Playtable estimula a socialização de crianças autistas e com dificuldades psíquicas e motoras. Segundo Marlon de Souza, cofundador da Playmove, a ideia é fazer as crianças com deficiência interagir com as outras de maneira igualitária. Um exemplo é a inclusão da linguagem Libras de sinais no aplicativo Contador de Histórias, desenvolvido para a Playtable, a fim de permitir que crianças surdas também possam acompanhar as narrativas.

A PlayTable já é usada por mais de 800 escolas brasileiras, atingindo cerca de 300 mil crianças. Neste ano, a Playmove inicia a exportação do produto para os EUA, Europa e países árabes. Outro destaque da tecnologia de inclusão é a Cycor Cibernética, de Curitiba (PR), que busca popularizar a reabilitação física desenvolvendo equipamentos com custo mais baixo. Segundo a neuroengenheira Michele de Souza, fundadora da empresa, a Cycor atua com dois produtos principais: a prótese de mão e o exoesqueleto, com preços menores que os dos similares importados.

Desde janeiro de 2017, a Cycor comercializa uma placa eletrônica que permite fazer qualquer mecanismo funcionar, obedecendo a dados de comando do corpo humano. “No momento, é a única placa disponível no mercado para integrar o ser vivo à máquina”, diz Michele. “Ela possibilita o desenvolvimento de cadeiras de rodas e exoesqueletos para tetraplégicos.” A Cycor também está transformando as tecnologias desenvolvidas em kits educacionais para a montagem de próteses de mão. O kit inclui a placa Argedon Robotics, hardware de inteligência artificial capaz de ler os sinais emitidos pelo cérebro e transformá-los em sinais mecânicos para efetuar controles diversos.

Ainda da Cycor, o Vocalizador TouchVox é um equipamento com bandeja de comunicação digital para pessoas que não falam. Na área de próteses, há o joe­lho digital AdLeg, que, acoplado a uma prótese mecânica comum, transforma-a em eletrônica, e a prótese mioelétrica inteligente de mão My Hand. Já o Cycor é um robô exoesqueleto para pessoas paraplégicas ou que precisam apenas de ajuda para caminhar. Como se vê, a lista de criações brasileiras voltadas à inclusão dá pistas de crescimento contínuo.

0

Tecnologia Assistiva: Sustentabilidade é tema do 37º Projete em Santa Rita do Sapucaí, MG               Feira de projetos terá apresentação de 130 trabalhos elaborados por estudantes.

 

Tecnologia Assistiva: Começa nesta quinta-feira (5) a 37ª da Feira de Projetos Tecnológicos da Escola Técnica Eletrônica Francisco Moreira da Costa (ETE FMC). O evento segue ate até sexta-feira (6). A entrada é gratuita.

A edição deste ano tem como foco a sustentabilidade e para isso, todo material de divulgação foi produzido em papel reciclado. Os projetos do Projete 2017 foram elaborados por alunos dos cursos de Automação, Telecomunicações e Equipamentos Biomédicos.

A cidade conhecida como “Vale da Eletrônica” terá apresentação de 130 projetos voltados para soluções em agrotecnologia, tecnologia assistiva, domótica, utilidades, sustentabilidade, energia, entretenimento, IoT, wearable, segurança, app e educação. Os trabalhos serão apresentados para empresários, instituições e familiares.

O evento será realizado no Campus da ETE FMC. A feira acontece das 10h e segue até 21h. A ETE fica na Av. Sinhá Moreira, nº 350, no Centro da cidade.

 

Fonte: G1

 

0

Tecnologia Assistiva: Congresso Latino Americano e Congresso Brasileiro de Ortopedia Técnica terá participação de especialistas de seis países entre os dias 3 e 6 de Outubro.

Tecnologia Assistiva: Cerca de 400 especialistas em ortopedia técnica dos Estados Unidos, Europa e da América Latina irão se reunir em João Pessoa, entre os dias 3 e 6 de outubro, para discutir as principais inovações na área de reabilitação para usuários de próteses e órteses durante o V Congresso Latino Americano e o XI Congresso Brasileiro de Ortopedia Técnica. O evento será no Hotel Tambaú e tem promoção da Associação Brasileira de Ortopedia Técnica (Abotec).

Ao todo, serão 30 palestras sobre temas relevantes da área, além de cursos de capacitação, workshops e exposição de tecnologias, equipamentos e produtos, que trazem uma discussão fundamental para inclusão social de milhões de pessoas: acessibilidade e autonomia. Segundo números do último Censo do IBGE (2010), 45,6 milhões de pessoas residentes no Brasil declararam ter ao menos um tipo de deficiência, o que corresponde a 23,9% da população brasileira, sendo que 7% da população sofre de deficiências motoras.

Durante quatro dias, os participantes debaterão inovações e tecnologias que estão a serviço dos profissionais e dos portadores de deficiência física, como próteses biônicas, sistemas de confecção de próteses com auxílio do computador, novas tecnologias em cadeiras de rodas, novos sistemas de avaliação de paciente amputados, entre outros assuntos.

Para o presidente da Abotec, Peter Kuhn, o evento foi planejado para contribuir com o desenvolvimento técnico-científico dos ortesistas e protesistas de todo o país. “O evento será uma oportunidade para troca de informações e contatos profissionais. Esperamos que todo o conhecimento adquirido nas palestras, cursos, workshops e outras atividades contribuam para um melhor resultado dos pacientes com deficiência”, disse o presidente.

Entre os especialistas internacionais, estarão em João Pessoa a holandesa Lisan Scheepers e o alemão Kai Hendrik Bussiek Cillien, especialistas em movimento para pacientes com próteses nos membros inferiores, o argentino Marcelo Lofiego, que discutirá sobre exoesqueleto. Também estão confirmadas as participações do alemão Alexander Hardt, que fará apresentação sobre órteses neurológicas, e do especialista americano Andy Marsland fará palestras sobre conforto, segurança e novas tecnologias protéticas.

Os interessados em participar podem fazer a inscrição no site do evento (www.abotec.org.br/congresso2017/), com investimento a partir de R$ 430,00. Mais informações pelos fones (11) 2950-6575/2978-3283/2950-2874 e pelo e-mail eventos@abotec.org.br. O evento é uma realização da Abotec e conta com o apoio da ISPO Brasil.

Cursos – O V Congresso Latino Americano e o XI Congresso Brasileiro de Ortopedia Técnica também conta com uma programação prévia voltada para capacitação. Diversos cursos serão oferecidos nos dia 3 e 4 de outubro. Entre eles, os cursos de “Encaixe transfemural de silicone”, “Novo sistema de avaliação dos pés em 3D para confecção de palmilhas e calçados ortopédicos”,” Curso de tecnologia assistiva 4.0”, “Avaliação e prescrição com almofadas de micro-células de ar e de encosto modular anatômico”, “Desafios da tecnologia assistiva para terceira idade” e “Avaliação da mobilidade funcional nas cadeiras de rodas manuais e motorizadas”.

O pré-congresso também terá cursos da Össur. A holandesa Lisan Sheepers vai ministrar o curso “Running Clinic”, em que serão tratados temas como “Da Caminhada à corrida: marcha normal vs marcha com prótese”; “Provando e colocando componentes protéticos para prática de esportes”, além de demonstrações práticas e exercício com pacientes modelo. Já o protista e diretor da ÖssurBrasil, Jairo Blimenthal, vai apresentar os novos lançamentos da empresa.

Também fiz parte da programação o Workshop Internacional Ottobock, que vai abordar temas como “Novas oportunidades e benefícios dos joelhos biônicos – a revolução dos sistemas de controle baseado na análise de movimento”; “A eficácia biomecânica com utilização do duplo canal na eletro estimulação”; “O futuro das órteses neuro ortopédicas – a conquista da funcionalidade com a melhor solução estética”; “Novas possibilidades funcionais nas amputações do membro superior – Sistemas biônico Ottobock”; e “Benefícios biomecânicos no controle da pressão interna do encaixe transtibial”.

Os participantes terão a oportunidade de se inscrever ainda no Encontro Científico Itinerante. Exclusivo para os profissionais da saúde, o evento vai abordar temas como “Amputação: etiologia e técnicas cirúrgicas”; “Indicação e prescrição de cadeira de rodas”; “Próteses de membros superiores e inferiores”; “Atualidades e Inovações em sistema neuro-ortopédicos”; e “Pés neuropáticos – prevenção e tratamento”.

 

Fonte: Portal Tv Cariri

 

0

Tecnologia Assistiva: Festival de cinema no DF usa audiodescrição e legenda para pessoas com deficiência.

Festival ‘Assim Vivemos’ vai exibir 32 produções com audiodescrição e legenda em ‘closed captions’ de graça. Evento ocorre entre 6 e 17 de setembro no CCBB; haverá debates com tradução simultânea para Libras.

Para quem não consegue enxergar ou ouvir, assistir a um filme no Brasil pode ser uma experiência incompleta devido à falta de recursos de audiodescrição. Por isso, a cada dois anos, o festival internacional de filmes sobre deficiência “Assim Vivemos” tenta mudar essa realidade.
Na 8ª edição, o evento chega a Brasília nesta quarta-feira (6) para exibir produções nacionais e internacionais com audiodescrição, legendas em “closed captions” e tradução simultânea em Libras. O festival será realizado no Centro Cultural Banco do Brasil até 17 de setembro.
Após passar pelo Rio de Janeiro e por São Paulo,

“Assim Vivemos” convida o público candango a refletir sobre preconceito, invisibilidade social, superação, inserção no mercado de trabalho e acessibilidade a quem vive com alguma deficiência – seja física ou mental.
O tema central é o “amor”, que está presente em todos os 32 filmes escolhidos para compor a mostra.

Cena do filme

São curtas, média e longas-metragens de 19 países nas categorias ficção e documentário – duas produções brasileiras fazem parte da programação.

Segundo a idealizadora e curadora do festival, Lara Pozzobon, o maior objetivo do festival é quebrar preconceitos e promover a inclusão social das pessoas com deficiência por meio da arte e do conhecimento.

“É muito emocionante ver pessoas com deficiência serem representadas em filmes como protagonistas. A vida delas, relação com família, amigos, amores. São as mesmas questões de todos.”

Entre os filmes desta edição, a curadora chamou atenção para a produção brasileira “Luíza”, que se desenvolve em torno das dúvidas e preocupações da família de uma jovem com deficiência intelectual que começa a namorar um rapaz com o mesmo tipo de debilidade. O filme espanhol “Amor aos 20” também aborda as vivências amorosas de um garota com Síndrome de Down.

Cena do filme norte-americano

Outro estrangeiro é o filme norte-americano “Como se eu estivesse voando”, que traz à tona pesquisas recentes sobre a relação positiva da dança com a saúde corporal e mental. A questão será tema de um debate na próxima terça-feira (12).

Além dos filmes, o festival promove quatro debates. O primeiro, “A visão e os sentidos da arte”, ocorrerá nesta quinta (7). O segundo, “Corpo e movimento”, será na próxima terça (12). Em seguida, na quarta (13), haverá o bate-papo “Tecnologia Assistiva de Ponta”. O último debate será sobre “Amor e relacionamento” na quinta-feira (14).
1º em audiodescrição
O festival “Assim Vivemos” foi o primeiro evento de cinema do Brasil a implementar a audiodescrição durante as sessões. Na primeira edição, em 2003, sequer havia um termo para descrever o processo.

“Só na terceira edição descobrimos que isso estava começando a ser feito em outros países e aí pegamos o termo do inglês e do espanhol”, disse a curadora.

Cena do filme

A responsável pela audiodescrição foi Graciela Pozzobon, atriz e irmã da curadora. “Ela foi a primeira audiodescritora no país e desenvolveu o processo intuitivamente. Foram muitas conversas com pessoas cegas para entender as dificuldades.”

A curadora, Lara, explicou ao G1 que a audiodescrição é um processo que requer sensibilidade e concisão de quem o faz. “Não é nada mecanizado. É preciso fazer roteiro, testar e ensaiar para ver se as descrições vão encaixar nos intervalos das falas e cenas.”

Para o festival são necessários dois atores – um para descrever as imagens e outro para fazer a tradução simultânea, já que há filmes estrangeiros na programação.
“É um trabalho muito delicado, com texto direito e a descrição isenta. Sem explicação, comentário ou julgamento. O que está na tela tem que ser descrito.”

Cena do filme russo